sábado, 30 de agosto de 2014

Análise de Palmeiras 0x1 Inter por @MasterColorado



Hoje não vou fazer análises profundas até porque o adversário era o Palmeiras. Já não bastava isso, eles inventaram de jogar de AZUL(contra o Inter, isso é sinônimo de DERROTA). Então se contentem com uma visão superficial das coisas. Brincadeira, ou não.

As nossas duas derrotas seguidas no Brasileirão, mesmo jogando bem nos deram um alerta, e aquele fiasco na Sul-Americana nos abriram os olhos para algo que não estava sendo bem feito.

Com a ausência de D’alessandro suspenso, Abel Braga SORTEOU o Inter com a seguinte escalação : Dida; Cláudio Winck, Paulão, Ernando e Fabrício; Willians, Wellington, Aránguiz, Jorge Henrique e Sasha; Rafael Moura.
O Palmeiras foi a campo com: NÃO IMPORTA.
Na escalação do Inter você não leu errado, eu escrevi sorteou mesmo, pois o Abelão tá mudando a equipe a cada jogo, não vejo ele confiando em um time titular absoluto do Inter.

Assim, analisando antes da partida, a volta do Willians é um fator positivo pois Ygor esteve jogando um futebol que nem o gremista mais secador imaginava que fosse possível. E o fator super negativo é Rafael Moura, que comprou muitos números no sorteio do professor Abel e conseguiu ser escalado para mais uma noite de aventuras.
Tem alguns outros pontos não tão menos importantes, como Jorge Henrique e Sasha que não quero comentar para que não me chamem de corneteiro, prefiro evitar a fadiga(risos).
Pois bem, começou o jogo e o Palmeiras empolgado por sua torcida que estava em bom número no Pacaembu, tentava pressionar mas não criou nada de perigoso. Inter fechadinho, como manda o Manual dos Jogos Como Visitante, só esperando por um lapso de desorganização do Palmeiras(o que é comum).

Cláudio Winck ABSORVIDO pela ATMOSFERA onde EL MAGO VALDÍVIA joga, não aguentou 15 minutos sem se lesionar e deu lugar a Gilberto na nossa lateral direita.
Em 20 minutos o impossível acontecia, DUAS ASSISTÊNCIAS de Rafael Moura para Jorge Henrique, que resultaram em UM GOL, pois uma das assistências foi com “la mano”. Na que valeu, a jogada ocorreu em apenas TRÊS TOQUES, Dida deu um balão, Moura escorou de cabeça e o Jorge Henrique como a FORMIGA ATÔMICA ganhou na velocidade e chegou antes do goleiro para abrir o placar. Colorado 1 a 0.

A partir daí o que era o Palmeiras tentando fazer algo, já não acontecia. O time alvi-verde TRAVESTIDO de azul não tinha chance para tentar pois era desarmado por nossos volantes.
Um festival de gols perdidos se proliferava a cada investida do Inter, Aránguiz conseguiu a proeza de errar um gol cara a cara com o arqueiro da esquadra verde. Jorge Henrique(ex Corinthians) pensou que estava com a camisa dos gambás em um clássico, e incorporou um personagem em que nunca vimos ele se transformar, e INFERNIZOU a defesa do Palmeiras e abria espaços para as investidas coloradas.

Muitas chances foram criadas até o fim da primeira etapa, não vou descrever todas, pois a paciência dos leitores desse espaço tem limite. Enquanto isso em Belo Horizonte o Cruzeiro estava perdendo para a Chapecoense por 1 a 0. Tudo o que os colorados queriam estava acontecendo. Seriam os novos tempos? Só o tempo dirá, já profetizava Wianey “Taison ou Messi” Carlet.

Mal começou o segundo tempo e o AVASSALADOR Cruzeiro já acabava com a vantagem do time de Chapecó, e conseguia manter a distância de 8 pontos para o Inter, que estava assumindo provisoriamente a segunda colocação.
No Pacaembu o filme do primeiro tempo se repetia, o Palmeiras tentava sem tentar nada e o Inter se aproveitava e pegava a defesa do porco “com as calças na mão”. Rafael Moura seguia em campo e continuava se portando como um REI MIDAS DO AVESSO, ao invés de tudo o que ele tocava se transformar em ouro, como na história desse personagem da mitologia grega, Moura matava as jogadas, ou perdia o tempo do lance e desperdiçando o que seria algo bom para o Inter.

Willians e Wellington não deixavam passar nada, nem o sonho de fugir da segundona os nossos desarmadores deixaram passar. Aránguiz conseguia se desprender e começar bons lances para a gente.
Na defesa Dida & CIA, não se esforçaram muito. Sasha que não fez muita coisa, deu lugar ao rápido Leandro que no pouco tempo que teve tentou fazer um carnaval na defesa do Palmeiras. E o melhor jogador colorado na partida Jorge Henrique deu lugar a Alan Patrick.
O jogo seguia naquele mesmo filme, cada chegada do Inter centenas de palmeirenses morriam de problemas no coração. E no final o Inter gastou um tempão em CATIMBA com o selo IARLEY de qualidade.

Fim de papo. Palmeiras 0x1 Internacional. +3 pontos na conta do maior do Rio Grande.
Como o Cruzeiro venceu a Chape por 4 a 2, o título é algo para os sonhadores, segundo lugar já é uma grande vitória com todas essas condições.
Mesmo com todos os problemas estamos muito bem na tabela, aos poucos chegando, brigando com os nossos reais rivais nesse momento Corinthians e São Paulo por vagas diretas para a Libertadores 2015, mas estamos vivos no sonho do Tetra.

VAMO INTER, e não se esqueçam DIGA NÃO AO RACISMO.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

QUEM MUITO ESCOLHE, PERDE TUDO. Por Master Colorado






Vou POUPAR meus esforços para o próximo post, que é do jogo entre Palmeiras x Inter pelo Brasileirão. Por isso, contratei um estagiário 
para escrever por mim hoje.

O Internacional enfrentou(?) a equipe do Bahia no Beira-Rio nessa quarta-feira pela Copa Sul-Americana, uma friaca está tomando conta do RS e os ingressos com preços medonhos; quem pagou para assistir a esse jogo e não se POUPOU de cantar, pular, vibrar, ESTÁ DE PARABÉNS. Você merece tudo de bom e do melhor e não merecia assistir a esse jogo.
Não vou focar na atuação ou no time, mas sim no fato de POUPAR, que até o meu cachorro sabe que não serve para nada, e o que essa atitude pode fazer com o nosso time.
Inter foi escalado com o seguinte time: ASA DE ARAPIRACA com grife, desculpa, os jogadores do ASA são limitados tecnicamente, mas ao menos tem VONTADE NO CORPO, errei.
Boa parte do time foi POUPADO (foi para isso que o Inter POUPOU jogadores na Copa do Brasil?).

Começou o jogo e o Bahia mostrou a sua fragilidade, e Valdívia esperto roubou a bola e mandou no TRAVESSÃO logo no primeiro minuto de jogo, deixando no ar que não passaríamos trabalho.
Após isso, o jogo começou a se encaminhar do jeito que todos imaginaram: Inter tentando criar(com menos qualidade que o normal) e o fraco Bahia tentando suportar as investidas coloradas e quem sabe tentar cometer um crime.
Aos 18 minutos Wellington Paulista mostrou que quer aproveitar a chance que lhe foi concedida, a bola sobrou pra ele que encheu o pé, a redonda desviou no jogador do Bahia e bateu no pé da TRAVE. Duas chances claras de gol em 20 minutos, boa média.
A partir desse momento o Inter assumiu o que realmente veio fazer nesse jogo: se POUPAR, evitar a fadiga. Começou um show de horrores, com as jogadas sendo tramadas em uma velocidade slow motion, super câmera lenta - igual aquelas usadas em documentários sobre ataques de leopardos, tigres a outros animais – coisa medonha e já frequente no Inter.
Aí veio um escanteio cobrado no primeiro pau, logo, você pensa que foi um lance do Inter, só que foi o Bahia que usou desse lance para abrir o placar. E antes de acabar o primeiro tempo o Inter acertou mais uma bola na TRAVE, ah como eu queria que tivesse uma regra que convertia três arremates no poste em GOL, porque só assim mesmo. E o Inter foi para o intervalo perdendo por 1 a 0 em casa para o Bahia.
Aí veio o segundo tempo e não tem nada tão mal que o Inter não possa piorar. O ponteiro dos minutos nem chegou a completar uma volta, e o Bahia fez mais um, ninguém desafiou no Facebook, mas foi um balde de água fria na torcida.


A partir daí, o que era um drama virou um show de horrores, ninguém do Inter se prestou a fazer estrago no Bahia, que apesar da pouca qualidade estava bem postado definitivamente.
Até o final do jogo foi aquela agonia, aquele Deus nos acuda nosso de cada dia, Inter tem um dom que não vejo em nenhum outro time, PIORAR, quando está em boa fase. Vínhamos de 5 vitórias no Brasileirão, estávamos na cola do Cruzeiro, e agora uma semana depois, tudo mudou.
Parabéns para quem imaginou que poupar na Copa do Brasil e causar a nossa eliminação traria algum benefício. O co-irmão que faz muito isso, despreza uma competição em nome de outra e no fim acaba sem nada. Quem muito escolhe corre o risco de perder tudo.

Queria escrever mais, mas o salário de estagiário que o @mastercolorado me paga é muito pouco, então vou me POUPAR para uma próxima oportunidade. Abraços e qualquer dica, crítica, sugestão, xingamento, bolo, dinheiro, favor mandar para o @mastercolorado no Twitter. 


segunda-feira, 25 de agosto de 2014

D'Alessandro e seu Banho de Gelo!

Tarefa cumprida! Nosso maestro D'Alessandro toma o tão falado "banho de gelo", e cumpre assim o desafio de Dunga!
Dunga, que havia sido seu comandante no Inter, D'Alessandro seguiu a onda e aceitou tomar o banho de gelo. O vídeo foi postado nesta segunda-feira em sua conta no Twitter.
Como reza a cartilha do desafio, o capitão colorado indicou mais três pessoas a tomar o banho de gelo. O argentino escolheu o músico Thedy Corrêa, da banda gaúcha Nenhum de Nós, o jornalista Paulo Sant'Ana e o ex-presidente do Inter Fernando Carvalho.

                                              D`Alessandro aceita o desafio do balde de gelo
video

O desafio do gelo é uma iniciativa em que internautas são desafiados pelas redes sociais a tomar um banho com um balde cheio de água e gelo como forma de financiar pesquisas e chamar a atenção para a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Com a participação crescente de jogadores e artistas famosos, como Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo, a campanha ganhou força nos últimos dias.
De acordo a ALS Association, as doações estão quase chegando ao equivalente a US$ 9.7 milhões (R$ 22 milhões) desde o dia 29 de julho, quando o desafio do banho de gelo começou a se espalhar entre as celebridades.


Fonte: Globo Esporte RS

Para O Rafael Moura. Rosita Buffi

Olá.. a quanto tempo não venho aqui para conversarmos? Vou escrever sobre meu assunto favorito, depois de D'Alessandro, sobre o INTER. Não entendo muito de táticas de futebol, esquemas, essas coisas. Entendo de paixão, de torcer, de ser digna e tentar , entre isso tudo, ter coerência. A pouco tempo, essa semana, postei uma foto e tenho certeza que esse é o pensamento de nosso Maestro, em relação a Rafael Moura.



Não mudei de opinião. Mas analisem:  Moura é um cara gente fina pra caramba, amigo, brincalhão, responsável e disciplinado. Está em fase ruim..sabemos, vemos e sentimos. E como colorada, quero resultados. E com ele em campo os resultados não estão vindo. Não se trata de crise no INTER, não se trata de estarmos mal, apenas que nosso centroavante não está fazendo gols. Necessários! Aí a pergunta: sou menos colorada se não sair ofendendo, ou xingando, ele e quem faz parte de sua família como vejo muitos fazerem? Sou mais colorada se exigir a sua saída? Qual o papel da torcida nessa hora? Criticas ajudam? Cornetas resolvem? Uma coisa sei, violência nunca!! Quem me dera poder chegar nele e falar: "Vai passar Rafa, a bola ela vai entrar, não se sinta mal, mas porra perder aquele gol , não dá!! " Sim eu sei, complicado. Ao mesmo tempo que quero dar colo, puxo a orelha... Mas eu sou assim, entendo aquele q xinga, apesar de saber que só piora. Entendo a corneta. Queremos a mesma coisa! Poucos atletas evoluem na pressão, geralmente cedem ao erro, D'Alessandro é uma exceção , vocês bem sabem, quando pressionado e criticado, vai lá e resolve, SEMPRE foi assim. Mas Moura é diferente. precisa de calma. É nosso artilheiro. Ele sai de cena agora na Sula, contra o Bahia. Espero que esse tempo dê a ele a calma necessária para entrar e ser eficiente: Chutar 2 x ao gol para mim tá bom, se fizer a rede balançar! Isso é eficiência! Moura é aquele filho que toda a mãe gostaria de ter, o bom marido, o bom pai. Mas tem que ser para nós, colorados O Artilheiro. Será que a gente tá deixando ele saber disso? Será que ele tem noção do que é isso? Bem, espero que esse texto chegue a ele. E que ele leia com carinho. Porque é quase de mãe para filho... Tu é importante para nós, colorados. De ti, depende nossos gols, passa por ti nossas vitorias sim! Sabe o isso quer dizer? Nossas esperanças são tuas! Se tu balançar, a gente balança..se tu voar, a gente voa junto! Acredita em nós, que iremos acreditar em ti. Força e foco!!



Todos os jogos que fui com a 11, não perdemos!



Todos os jo

sábado, 23 de agosto de 2014

Mais que uma análise, um desabafo! Atl MG 1x0 Inter Por Master Colorado



SÓ BATE QUEM ERRA

Essa é a segunda vez que eu começo a escrever essa análise, aliás o outro texto estava grande. Mas, Rafael Moura fez o improvável quando estava 0 a 0 e com o Inter jogando melhor, e aí perdi minhas forças e o time também, abalou o psicológico de todo mundo. Deixo uma questão aos leitores desse espaço, estaríamos no G4 com um treinador experimental como foi nos últimos anos?  Eu creio que não, Abel é um grande treinador, vencedor e no passado ajudou o Inter a chegar a sua maior glória. Aí temos um pequeno grande problema: TEIMOSIA. Nós torcedores questionamos do por quê: do Winck não ser o titular; do Rafael Moura – em um esquema com um ataque - não estar marcando gols. Questões que não serão mais feitas caso o time esteja jogando bem e conseguindo o resultado. Rafael Moura, que teve grandes momentos nesse ano, chegando ao auge no gre-nal 400, quando marcou os dois gols da vitória colorada na Arena do Grêmio. A permanência ou não dele na equipe, não é questão de ele ser ou não um bom jogador, mas sim uma questão PSICOLÓGICA, tanto do atleta, quanto do elenco e também para que o torcedor não jogue contra a própria equipe. Nesse momento o importante é melhorar o clima. E essa questão ficou evidente no jogo de hoje, que após o lance EPOPÉICO do Rafael Moura, o Inter inexistiu e tomou o gol de Diego Tardelli que deu a vitória ao Galo. Hoje não adianta julgar a atuação do Inter, os méritos da equipe ou a suspensão do D’ale(vai cumprir contra um dos últimos da tabela, como é o Inter não sabemos se isso é bom ou ruim).  Rafael Moura foi o principal responsável pela não-vitória do Inter, pois quebrou a harmonia da equipe que tinha finalmente se encontrado dentro da partida. Agora complicou, há uma semana estávamos chegando com tudo junto do melhor time brasileiro desde o ano passado: Cruzeiro.  Também estávamos vendo o nosso maior rival com a ajuda de um microscópio, e estamos POR CULPA NOSSA correndo o risco de ficar OITO PONTOS atrás do Cruzeiro, e a luta que era por título virou pela Libertadores. Com o Inter deixando tudo conspirar contra e com o Cruzeiro não perdoando ninguém, vai ficando cada vez mais complicado conquistar o tão esperado TETRA.



quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Análise de Inter 0x1 São Paulo por Master Colorado






                                                               Fotos: Alexandre Lops


PEQUENO GRANDE DETALHE : GOL

Inter recebeu o São Paulo no Beira-Rio com um clima parecido com os épicos confrontos entre as duas equipes nas Libertadores de 2006 e 2010. Apesar da importância desse jogo não se comparar com a daqueles confrontos, o jogo dessa quarta era importante para o Inter seguir a sequência de vitórias, e a perseguição ao Cruzeiro na ponta da tabela do Brasileirão.
O Inter foi escalado por Abel Braga assim: Dida; Wellington Silva, Juan, Ernando e Fabrício; Ygor, Bertotto, Aránguiz, Alex e D'Alessandro; Rafael Moura. Apesar de algumas mudanças, o esquema foi mantido, com a presença de dois volantes e o Aránguiz fazendo uma função mais a frente no meio campo. A essência do time foi mantida com D’alessandro e Alex armando e o Rafael Moura solitário no ataque.
No primeiro tempo, poucas oportunidades claras de gol, o Inter teve somente um chute de Alex que parou em Rogério Ceni aos 26 minutos. Mas, me agradou muito a postura do Inter, tentando a imposição, e não deixando o São Paulo se criar, já que Alexandre Pato por várias vezes tentava fazer carnaval em nossa defesa e não obtendo sucesso, sempre acabando desarmado.
D’alessandro, Alex e Aránguiz faziam jogadas de triangulação, boas trocas de passes em busca de espaços, Bertotto aparecia como apoio várias vezes mostrando a interação entre os setores da equipe.
A busca por espaços do Inter começou a se tornar secundário na partida, pois o árbitro do jogo Grazianni Maciel Rocha pensou que estava apitando jogo entre compadres, pois deixava a pancadaria comer solta. Eram jogadas de contato, mas, que claramente eram faltas, e deixavam de ser marcadas por capricho do juizão.
Até que Juan quebrou a harmonia da equipe colorada, ao querer sair jogando em uma jogada que o “manual do zagueiro que não compromete” condenaria, o mais simples seria um tradicional balão.
Resultado: Bertotto recebeu o passe, foi desarmado e no fim da jogada o erro não foi perdoado, Ganso livre abriu o placar. Internacional 0x1 São Paulo
Até o final do primeiro tempo, o jogo se transformou naquele misto de tensão e preocupação.
Inter voltou igual para o segundo tempo, no papel, mas na realidade o Inter veio com fome de gol, atacando de forma muito contundente e recuando o São Paulo em seu próprio campo.
Aos 7 minutos, após sobra de um escanteio, nosso capitão D’alessandro mandou um canudo e Rogério Ceni fez uma defesa sensacional, e a bola sobrou nos pés de Rafael Moura que mandou pra rede, mas impedido não vale. Aí a proposta das duas equipes foi perfeitamente desenhada, Inter ataca e São Paulo se defende e tenta jogar nos contra-ataques.
Alex deu lugar para Jorge Henrique aos 16 minutos do segundo tempo, quando Inter chegou a marca de 57% de posse de bola. Aos 26 saiu o volante Ygor e entrou o garoto Valdívia, para dar mais velocidade ao time. Michel Bastos de volta ao Brasil, entrou no lugar de Ganso, e em sua primeira jogada deixou Alexandre Pato pronto para marcar, mas, após duas tentativas(a primeira parou no braço do Juan, pênalti não marcado) ele mandou a bola pro alto.
Wellington Paulista entrou no lugar de Bertotto, pois a missão era fazer gol a qualquer custo. E no primeiro lance, um escanteio, Wellington subiu mais alto que todo mundo e mandou no travessão, já fazendo mais que o Rafael Moura em toda a partida.
Nos acréscimos era uma festa de chuveiros pra área e aquele Deus nos acuda tomou conta, após uma dessas confusões Wellington Silva recebeu na entrada da área, e cruzou Rogério Ceni pegou, e em seguida fez todos nos lembrarmos de 2006 ao soltar a bola. Mas, a jogada não acabou bem, como naquele inesquecível gol do Fernandão.
Ao fim do jogo, chego a conclusão que o Inter tentou se impor e conseguiu, só não foi vertical, efusivo, contundente, Rafael Moura anda deixando muito a desejar e Wellington Paulista veio chegando no cangote dele. Já que vamos seguir nesse esquema com um atacante(vem dando certo) penso que seja o momento de dar chance a outro jogador lá na frente.
Na defesa, como time o Inter se postou bem, Juan comprometeu ao não simplificar o lance que originou o gol do Ganso, e quase completou a tragédia ao cometer um pênalti que não foi marcado na segunda etapa a favor da equipe paulista.
Foi uma tragédia pelo resultado, pelo adversário, por estarmos jogando em casa, e almejando coisas maiores no campeonato. E as poucas chances reais criadas, acabaram nos tirando os 3 pontos que nos colocariam na liderança provisória do campeonato.
O futuro está encaminhado, e mesmo com tudo isso, estamos em segundo.
Falta ajustar pequenos detalhes que fazem GRANDES DIFERENÇAS.







terça-feira, 19 de agosto de 2014

D'Ale rebate criticas.



Fonte: esportes.terra.com.br
19 de agosto de 2014


D'Ale rebate críticas 'injustas' e avalia Inter inteligente e maduro após a Copa

As cinco vitórias consecutivas mostram um Internacional mais maduro no Campeonato Brasileiro. Essa, pelo menos, é a análise do camisa 10 D'Alessandro. O argentino vê um time que merece a sequência de resultados conquistada, e, como líder do elenco, defendeu a equipe de críticas que disse ter ouvido ao ser alertado por amigos. E considera as atuações maduras e inteligentes.

Na sequência depois da Copa do Mundo, o Inter tem derrota para o Corinthians e vitórias sobre Flamengo, Bahia, Santos, Grêmio e Goiás. No meio disso, as duas derrotas para o Ceará, que tiraram o clube da Copa do Brasil. Para D'Ale, o Colorado só não mereceu vencer, pelo rendimento, o jogo com o Bahia, que o gol saiu após falha de Marcelo Lomba. Por isso, vê críticas injustas ao time.

- Hoje estamos merecendo os resultados. Com o Santos merecemos, com Flamengo, com Goiás também. Só com Bahia ficamos devendo. E reconhecemos. Faz parte da humildade saber quando fazemos um bom jogo. Quem hoje está falando que o Inter não vence, mas convence, são opiniões que aceitamos, mas não concordo. Eu faço uma análise do jogo com o Goiás que tinha que se tivesse que ter um ganhador, era o Inter. Com Flamengo e Santos, o mesmo. Bahia não. O grupo é consciente, o treinador também. Acho que por momentos estamos sendo injustiçados, um pouco - disse D'Alessandro.

O gringo vê uma evolução, principalmente no sistema defensivo. E afirma que a maneira de controlar o jogo, com inteligência, é um dos pontos que analisa como crescimento da equipe na preparação de junho e julho.

- Vejo o Inter um time que foi crescendo na competição. Nessas 15 rodadas, fomos crescendo e melhorando algumas coisas. O sistema defensivo nosso melhorou muito, não tomamos gol nos últimos jogos. O fator sorte também está nos acompanhando, não tem que ter vergonha de reconhecer isso, faz parte do futebol. Ano pssado tiveram muitos times que tiveram muita sorte, e o futebol é assim. Acho que a gente está aprendendo, e tomara que continue, a jogar com mais inteligênica e maturidade na hora de atacar e controlar o jogo. O que por vezes não acontecia. Estamos tendo a tranquilidade para jogar. Sendo um time mais maduro. Isso é uma melhora muito importante que estamos tendo. Que continue assim - destacou o argentino.


O Colorado volta a jogar nesta quarta-feira, contra o São Paulo, às 22h, no Beira-Rio. O técnico Abel Braga fechou o treino desta terça-feira e não indicou quem será o substituto de Wellington no meio-campo.

Lancepress!

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Momentos da entrevista de D'Ale ao Globo Esporte!

D'Alessandro completa seis anos de Inter e avisa: "Meu lugar é aqui"


Por Alexandre Alliatti e Tomas Hammes
Porto Alegre.  Assista a integra aqui Globo Esporte



Desembarcou no aeroporto Salgado Filho. Viu 400 pessoas gritando seu nome. Acenou para elas. Entrou em um carro. Viu o carro ser cercado. Viu as pessoas gritarem seu nome com mais força. Passou em um hotel. Deu rápida entrevista coletiva. Foi ao Beira-Rio. Ficou em um camarote. Passou o tempo todo autografando camisas. Observou um jogo chato, daqueles de maltratar o ânimo. Comeu um pastel. Sentiu o cansaço de um longo dia invadir o corpo. Bocejou. Espreguiçou-se. Fechou os olhos. E aí é como se Andrés D’Alessandro, seis anos depois do dia em que pela primeira vez colocou os pés no Beira-Rio, acordasse como maior ídolo da torcida colorada, ídolo a ponto de planejar encerrar a carreira vestindo vermelho:
- Eu já escolhi meu lugar. Meu lugar é aqui. Não tem como cogitar sair.
O tempo passou voando para o camisa 10 entre o 30 de julho de 2008, quando assinou contrato com o Inter, e este 30 de julho de 2014, quando vai a campo diante do Ceará pela Copa do Brasil. Aos 33 anos, ele fala “bah”, é capitão do time, campeão da Libertadores, campeão da Sul-Americana, campeão da Recopa, cinco vezes campeão gaúcho. Carrega dores cicatrizadas na lembrança (a derrota para o Mazembe, o afastamento em 2009, a distância de uma Copa do Mundo que aconteceu dentro de sua casa) e façanhas tatuadas na alma. Acima de tudo, é adorado pelos torcedores.

Nesta terça-feira, D’Alessandro abriu as portas de sua casa, em Porto Alegre, para uma conversa de quase duas horas, de chimarrão em punho, com o GloboEsporte.com. Falou do passado, do presente e do futuro. Analisou o futebol brasileiro, criticou a estrutura que o rege, opinou sobre a participação da Argentina na Copa, lamentou ter sido alijado do Mundial, avisou que pretende jogar por mais pelo menos três anos para depois seguir no futebol, possivelmente como treinador. Quer seguir no Inter – como atleta e depois disso.




"Lembro de ter chegado ao aeroporto com um nervosismo normal por estar vindo para um clube novo, as pessoas não me conhecerem, eu não conhecer a cidade. Fiquei surpreso pela recepção. Tinha muita gente. Eu achava que muitos não me conheciam e, sinceramente, fiquei surpreso."

"Lembro que a torcida me deu um boné, coloquei e saí por outro portão. Por isso que me surpreendi com o carinho já no primeiro dia. Foi uma coisa que, com certeza, ajudou muito na minha adaptação. Quando tu chega a um clube e tem essa recepção, esse carinho, já pensa diferente, já pensa que o primeiro passo foi dado."

Não me acomodo, porque minha carreira continua, sempre quero mais, mas acho que, nesses seis anos, conquistei junto com o clube coisas que não imaginava. E agora, até para o torcedor me conhecer melhor, a gente está fazendo um livro para contar um pouco da minha história. Foi uma ideia que surgiu, eu gostei, e estamos fazendo o projeto andar. Ainda não temos data para lançar. Tomara que gostem."


"Eu gostei de virar capitão. Gostei. E gostei por ter sido ao natural. A gente não sabe se merece ou não, mas é algo que depende de muitas coisas. Tem que ser aceito pelo grupo. É o principal. É impossível ser aceito por todo mundo, porque tem 35, 40 jogadores num elenco, e sempre vai ter alguns que gostam mais de ti, outros não."


"Demorei um pouquinho para entender a arbitragem, minha relação com os adversários. Agora, acho que me conhecem, sabem como sou. Às vezes, brinco em campo, às vezes falo demais."


"Sinto o carinho do torcedor. Muito. Sigo pensando que é demais. Isso me dá mais vontade, mais força para tentar buscar esses objetivos, conquistar mais títulos, manter o Inter no lugar que ele merece."

"É uma possibilidade muito grande (se aposentar no Inter)."
"Minha ligação ao futebol é muito grande. Com certeza, gostaria de fazer algo com o clube. Penso nisso. Se tiver essa opção de ficar, de terminar minha carreira aqui no Inter, acho que vai ser bom. Daqui a pouco, vou cumprir nove, dez anos no clube. Gostaria de ajudar. Sobre a carreira de treinador, vou fazer um curso."

"Não sei fazer outra coisa, cara. Quando terminei o colégio, era só futebol. Larguei tudo pelo futebol. Não posso reclamar de nada do futebol. Ele me deu muita coisa, muito mais do que eu imaginava. Minha vida vai continuar relacionada ao futebol. Minha família já sabe disso."

"A gente sente que o atleta não é escutado. Sem jogadores, não existe futebol. Sabemos disso. Muitas vezes, se pensou em paralisar o futebol, mas sabemos que, por trás dos jogadores, há os torcedores, nossa família, muita gente que vai sofrer se o futebol parar. Mas vai ter um momento em que vai ter que acontecer"


"Os atletas precisam ser mais unidos. Somos uma força muito grande. Sabemos que muita gente depende de nós. O futebol também não seria nada sem o torcedor. Não tem graça sem torcida. É feio. O torcedor é parte muito importante de nossa briga. Mas temos que ser ouvidos."

"Acho que poderia ter sido convocado, sim. Poderia ter recebido essa chance para mostrar que tinha possibilidade. Nem essa chance eu tive. Não me frustrou, porque minha carreira continua. As coisas acontecem por algum motivo. Não fui para o Mundial, mas posso conquistar algo no meu clube. O futebol te tira algumas coisas, mas também te retribui depois."


"Acho que a imprensa faz parte do futebol."

"Mas ter esse carinho, esse relacionamento com o clube, torna tudo diferente. Nunca vou querer um rebaixamento na minha carreira. Nunca cogitei a chance de cair. Dependia de nós. Éramos um dos poucos"


"O ambiente é muito bom. Nosso grupo é muito bom. Não tem um cara que fale mal do outro nas costas, que queira sacanear. Nisso, nosso grupo é muito cara limpa."

"Eu já escolhi meu lugar. Meu lugar é aqui. A cada mês, a cada dia, isso é mais forte. Não tem como cogitar essa chance de sair. Não dá para falar em 100%. Mas é 80%, 90%."

"Estou com 33. Gostaria de ter mais três ou quatro anos bem. Dois ou três anos eu jogo bem"

"Mas eu gostaria de jogar três, quatro anos mais. Depois, claro, a responsabilidade, o trabalho vai mudando. Vai mudar. Vai ser dentro de campo, mas também ajudando os caras mais novos, passando minhas ideias. Essa é minha visão."



"No momento em que todo mundo não acredita que o Inter vai conseguir, o Inter consegue. Aconteceu nos últimos anos. Daqui a pouco, não acontece, porque são três resultados possíveis, e nos últimos Gre-Nais a gente se deu bem"

"É diferente. Tem que passar uma conversa diferente. Não sou só eu. O grupo tem quatro ou cinco que puxam. O Alex viveu muitos Gre-Nais, sabe como é. O Juan também viveu muito isso. O Dida dos dois lados. Felizmente, se deu melhor desse lado do que do outro (Risos)"

"Sim, tomo dura na Argentina. Falo espanhol e coloco um “bah” no meio."

"Acho que me acostumei. Noto isso com meus filhos. Falam português perfeito. Minha filha chegou com dois anos, e o Santino tinha dois meses. É gaúcho. O relacionamento com as pessoas na rua é muito bom. Nos restaurantes, já tenho meu lugar. É uma coisa muito confortável. Nos sentimos bem, nos sentimos queridos. Não tem razão para mudar. Se está bem num lugar, vai sair por quê?"











sábado, 2 de agosto de 2014

D'Ale: Retrospectiva de uma Paixão! Por Rosita Buffi

Ano passado, coube a mim falar sobre o ano de D'Alessandro no INTER, entre 2012 / 2013, um ano de acensão ! De tristezas, mas de muitas alegrias, de lesões, mas de sucesso também ! Acompanhando toda a trajetória desse período de Agosto de 2013 até o dia de hoje, no Blog, dá para se ter a ideia do que aconteceu com nosso Maestro. Ficaram guardadas aqui, suas entrevistas, suas vitórias, suas derrotas, seus problemas e seus prêmios ! Que ano agitado, heim D'Alessandro ?

Fostes do inferno ao paraíso ! Quantos acontecimentos, quantos GreNais  ? 4 ou 5 ? Até perdi a conta ! Fostes a Bola da Vez, chegastes aos 50, 55, 60 gols e não parastes por ai ! Virou até Garoto Propaganda e recebestes tantos em casa, inúmeras entrevistas, Papo de Boleiro , Fox ...todos te queriam ! E nosso Blog completou 3 anos e tu fostes tão querido, tão ídolo, nos presenteando com vídeo, e o sorteio da camiseta.

                                              D'Ale parabeniza Blog pelos 3 anos!


 O ano passando e nós aqui do Blog deixando registrado tua vida no INTER ! Vieram tempos difíceis, e nós junto a ti ultrapassamos todos os obstáculos. Tu nos dava esperanças daí, nós o apoiávamos daqui. Quem acompanha sabe o quanto sofremos quando as coisas não estão boas no INTER, e quem aparece sempre para dar a cara e falar o q tem que ser dito é tu meu Capitão ! Me emociono, choro junto (sim, longe de ti eu choro), pois sei que teu amor pelo Clube é enorme! Mas tivesses um final de ano, individualmente memorável ! Fostes quase perfeito ! Na realidade, para o Prêmio EFE que recebestes , fostes ! E para mim, sempre ! Foram gols lindos, passes perfeitos, assistências, finalizações e os lindos gols de falta, e não estava vendado ! Ano começou bem, empatamos Gre-Nal na Arena e demos de 4 na volta ! Pronto! Mais um título na carreira !! Já somam 5 Estaduais !! E que alegria a tua ao levantar novamente uma taça. Daqui. Ganhamos aqui,Mandamos aqui !!


Esse ano também foi marcado pelas as interações contigo, as ações com teus fãs, que de alguma maneira o Blog pode levar ao teu encontro, as visitas, as homenagens, o bolo de aniversário... Nossos papos sempre bem humorados e na correria! Como é bom conversar contigo ! Sem contar com os convites inesperados, e que agradeço de todo o coração! Teu reconhecimento para nós é de uma grandeza sem igual! 







O prazer que temos em manter o Blog é recompensado pela tua leitura, pelos teus comentários, pois sabes que o fazemos com amor.                                                                                                                    

Assim como mandamos a tal carta para a AFA, por amor (a Kika até hoje não acredita que fez isso, mas fez) ... Tua cara de surpresa ao te contarmos, foi algo ! Tu merecia Seleção D'Alessandro ! Enfim, Capitão, falar sobre você é relativamente fácil, mas tem consequência, me exponho ao te defender, ao te apoiar, ao desejar o melhor sempre. Mas aos que criticam, digo: Até o Papa, abençoa D'Alessandro, como nós do Blog, todas coloradas , querendo o melhor para nosso clube, não vamos idolatrar?? Abençoa Senhor !! E perdoa os que falam mal... possivelmente gostariam de te-lo vestindo a camiseta do seu time. Mas não. D'Alessandro é do INTER, D'Alessandro é o meu INTER. D'Alessandro é o meu ídolo. E que fique aqui por mais algumas dezenas de anos ! Jogue mais 3, 4 anos, vire técnico, dirigente, Presidente! Vista a Camisa Vermelha sempre, ela lhe cai tão bem !

 More para sempre no nosso coração. Aqui terás o carinho de uma nação ! Aqui terás o respeito de tua torcida ! Como jogador, Capitão, aqui terás o amor, que só as pessoas especiais sabem conquistar! Aqui, no INTER, D'Alessandro tu serás sempre nosso Maestro ! Faça daqui sua casa !



6 anos de D’Ale no Inter 
9 Títulos
 67 gols

5 Estaduais (2009, 2011, 2012, 2013 e 2014) 1 Copa Libertadores da América (2010)1 Recopa Sul-Americana (2008) 1 Copa Sul-Americana (2011) 1 Copa Suruga (2009) 


22 Gre-Nais
08 Gols 10 Vitórias 08 Empates 04 Derrotas 


Prêmios 
2010 | Rei das Américas - Melhor Jogador (Diário El País) 2013 | Prêmio EFE - Melhor estrangeiro Brasileirão 2013 (Agência EFE)