quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Torcedor: Dignidade e caráter, não se negociam. Sejamos dignos de nossos ídolos!


Retorno de D'Ale em 2016.
Foto de Ricardo Duarte.
21|02|2019
Texto: Rosita Buffi

Um Clube de futebol envolve e
mexe com sentimentos inexplicáveis:

Como explicar passar horas na fila ou no telefone para comprar aquele ingresso para uma final de campeonato?
Como explicar juntar dinheiro, deixar de sair, para comprar o novo manto tão amado e esperado?
Como explicar o choro naquele jogo difícil valendo campeonato, no golzinho aos 46 min do 2T? E nesse mesmo jogo abraçar, beijar, compartilhar essa paixão cm pessoas ao seu lado totalmente desconhecidas?
Como explicar só falar de futebol nas redes sociais ao ponto de ser chamado de louco?

Chegada de D'Ale em 2008.
Foto: Lucas Uebel
Como explicar tua paixão por um ídolo? Pelo cara que veste a camisa e faz em campo exatamente o que tu farias se lá estivesses? O cara que te representa, o cara que tu admiras, que joga o fino da bola, e leva no coração também as cores do teu time? Como explicar esse amor?
Não tem como. Só nós, os loucos por futebol, entendemos.
A magia que envolve esse amor ao futebol não se explica, se sente!
D'Ale e Fernandão.
Foto: Ricardo Duarte
E é por esse amor todo que temos por nosso Capitão ( para nós, sempre será) e ao nosso INTER, que muitas pessoas questionam e criticam, que estamos aqui. Pelo INTER, D'Alessandro é ídolo. E junto com isso veio a aproximação, e fomos além, veio a amizade e a admiração só cresceu.
Porque o ídolo era exatamente a pessoa que a gente sonhou.
O Inter já tem em sua galeria de idolos nomes respeitados, e reverenciados. Mas na atualidade, nosso grande nome é D'Alessandro.
Alguma vez ele desrespeitou a camisa que vestiu? Não.

D'Alessandro ama o Inter, pensa no Inter 24 horas por dia.
Não é à toa que é o jogador mais falado e perseguido nas mídias. Atormentado pelos rivais. 
Nós, Colorados, não precisamos fazer o mesmo.
Devemos cuidar de D'Alessandro.
Devemos tratá-lo com o carinho e o respeito que ele merece.

Talvez este seja o ultimo ano em  que o vemos em campo.
Ele sabe bem a parte dele nisso. O que tem que fazer.
Mas uma parte da torcida não sabe.
Pode-se não gostar do camisa 10, mas não podem dizer que ele é "veterano" e simplesmente descarta-lo,  que não "serve", que tem que saber o seu "lugar".
Tratar um jogador que sempre se manteve como um dos melhores condicionamentos físicos e referência do plantel dessa maneira é maldade.
É desleal.
E ele faz isso pelo Inter.
Ele pensa na carreira pelo Inter. Planeja. Constrói .

Não dá para esquecer os inúmeros gols em Gre-Nal, as vezes que ele, indignado pelas injustiças sofridas, saiu de campo chorando. Não dá para esquecer ele indo embora em 2016 por não compactuar cm as coisas que aconteciam, e depois voltar na B, baixando salário para nos ajudar. Não dá para esquecer que ele poderia estar muito bem jogando na Argentina, na Colômbia, no Uruguai, sem pressão, mas sem amor.
Não dá para esquecer ele e sua família, que aqui fizeram morada e tudo que  fazem na nossa cidade, no nosso Estado, pelo próximo.
Tu esqueces tudo isso e vaias e xingas e ofendes e menosprezas D'Alessandro  pela idade?
Tu nunca foste torcedor .
Tu nunca amaste o futebol.

"Dignidade e caráter não se negocia."







Fotos: Ricardo Duarte.